candidato ficha limpa, candidato partido novo, andre bolini, candidato vereador sp, partido novo, politico honesto

Projeto de lei pode acabar com aplicativos de delivery em São Paulo

In Mídia by André Bolini1 Comment

Foto: Pedro França/Agência Senado

Em meio a uma das maiores crises já vividas no país, a Câmara dos Vereadores de São Paulo deve votar a qualquer momento um projeto de lei que pode acabar com aplicativos de delivery e entrega. É o PL 130/2019, de autoria do Vereador Camilo Cristófaro (PSB). De acordo com o texto proposto, haveria restrição para o serviço de entrega por motoqueiros somente para aqueles com placa vermelha cadastrada na Prefeitura. É o corporativismo de sempre reagindo à livre economia.

Hoje, na cidade de São Paulo, circulam mais de 200 mil motociclistas contratados como CLT ou autônomos por aplicativos. O tal PL 130/2019 pode representar o desemprego e a perda de renda para milhares de famílias paulistanas. Além disso, conforme os países mais desenvolvidos e livres já comprovaram, esse projeto de lei caminha em sentido contrário a tudo que se vem fazendo para fomentar a inovação e a nova economia digital no resto do mundo.

Já não é mais cabível, em pleno século XXI, que uma Câmara de Vereadores tenha a pretensão de restringir a atividade entre particulares que contratam serviços entre si. Não cabe ao governo regular a atividade privada de baixo risco e exigir permissões ou alvarás que possam impedir a atividade econômica. É bem verdade que a Lei de Liberdade Econômica – Lei 13.874/2019 – é bastante clara ao impor limites ao poder de intervenção do do governo sobre a economia. Mas ainda é necessária regulamentação a nível municipal para de fato implementar de fato a liberdade econômica nas cidades brasileiras.

No mundo todo, já existem mais de 50 modelos de negócios consagrados pelas práticas corporativas. No Brasil, esse número cai para 11. Por quê? Simples: a legislação brasileira é proibitiva à inovação e busca sempre restringir a liberdade da atividade econômica para proteger grupos específicos já consolidados. Seja no Senado Federal, na Câmara dos Deputados, nas Assembleias Legislativas ou nas Câmaras de Vereadores, os políticos brasileiros tendem a favorecer a criação de reservas de mercado ao invés de abrir a livre concorrência para novos empreendedores. E o PL 130/2019 da Câmara dos Vereadores de São Paulo é só mais um exemplo.

As leis da economia também já nos ensinaram: reservas de mercado geram lucros concentrados nos poucos favorecidos e prejuízos socializados nos muitos excluídos. Por que somente aqueles que já têm o carimbo da Prefeitura poderiam trabalhar – ao invés de dar liberdade para cada um escolher é o que é melhor para si? Por que fazer o cidadão consumidor pagar mais por um serviço pela escassez de prestadores de serviços se o poder de escolha deveria ser do cidadão em contratar ou não outra parte particular? A cidade de São Paulo já não pode mais admitir legisladores defendendo reservas de mercado ao invés da livre concorrência.

Mas, especialmente no momento em que se vive no Brasil, é uma estupidez propor novas legislações para burocratizar a vida do cidadão que busca emprego e renda. Existem estimativas de que mais da metade das empresas brasileiras não vão voltar a abrir suas portas com o fim da quarentena: a falência e o estrangulamento do fluxo de caixa das micro e pequenas empresas já é uma realidade. Caberia, agora, à Câmara dos Vereadores de São Paulo, cidade mais atingida pela pandemia da COVID-19, focar seus trabalhos legislativos em facilitar a atividade empreendedora, e não restringir oportunidades de emprego e renda.

Vale lembrar também que os órgãos competentes para a certificação da “placa vermelha” estão fechados ou operando com capacidade muito reduzida de atendimento, como no caso do DETRAN. Além disso, a exigência de pagamento de uma série de taxas para a Prefeitura que, em meio à crise da pandemia, pode representar dinheiro de motociclistas que vai fazer falta no orçamento familiar do mês.

Empresas e aplicativos como a Rappi, Loggi, iFood e Uber Eats nada mais são do que plataformas que conectam pessoas. Por trás de cada nova lei que tenta restringir a atividade desses aplicativos, no fundo, existe um Vereador ou um Deputado proibindo alguém que precisa de dinheiro de trabalhar para alguém disposto a pagar pelo serviço. Por trás de cada lei que tenta acabar com os aplicativos da economia digital, existe uma família que deixa de receber renda e perde uma oportunidade de trabalho.

A cidade de São Paulo precisa, urgentemente, de um marco regulatório com clareza, segurança jurídica e liberdade ampla para a economia digital. A inovação não está prevista nos regulamentos burocráticos e não pode ser barrada por leis anacrônicas de legisladores que não compreendem o futuro ou insistem em proteger suas corporações e grupos de interesse. São Paulo merece mais inovação, e não retrocesso. Não ao PL 130/2019 e sim à liberdade econômica para quem trabalha e empreende!

André Bolini

André Bolini 30.777 é candidato a vereador pelo Partido NOVO na cidade de São Paulo. Administrador de Empresas pela FGV e estudante de Direito na USP, foi executivo de mercado financeiro e coordenador político do gabinete do Deputado Federal Vinicius Poit (NOVO-SP) em Brasília. É aluno do RenovaBR, Líder Livres e ativista pela Liberdade. Filiado ao NOVO desde 2015, foi candidato a vereador pelo partido em 2016, conquistando quase 5 mil votos. Em respeito aos pagadores de impostos, André Bolini não utiliza dinheiro público em sua campanha a vereador.

Comments

  1. Boa André, parabéns ta cheio de cara pensando no bem estar do motoqueiro cada vez que leio a respeito da até calafrio pq lá vem taxas , cursos inúteis, obrigações desnessessarias , você foi muito bem na sua colocação e não entendo como tem motoqueiro que ainda defende esse tipo projeto , os caras só pensam.em.tirar dinheiro até parece que uma placa muda alguma coisa , um dia fui parado por uma viatura onde o policial me falou sobre a placa vermelha para minha segurança, quase pergunto para ele se a placa é magica , é o fim não aparece um filho de Deus para falar que vai fazer um projeto obrigando o estado a fazer faixas exclusivas só aparece cara querendo regulamentar , pq será né? Já que querem obrigar o uso da placa que seja simples colocação de placa no preço justo e esse bando de dcto só para nós fazer perder tempo é dinheiro , precisamos de uma placa é carne do INSS, motoqueiro se liga !

Leave a Comment